Carregando...

Diferença entre vitamina D e D3

Que a vitamina D é importante para a saúde todos sabem, mas você sabia que existem formas diferentes de vitamina D? Estamos falando da vitamina D2 (ergocalciferol) e da vitamina D3 (colecalciferol). Ambas compartilham semelhanças em sua estrutura química e desempenham um papel importante na absorção de cálcio e na imunidade. No entanto, embora as duas atendam às necessidades do organismo, elas divergem de algumas maneiras importantes. Qual é então a diferença entre a vitamina D e D3? É essencial entender as diferenças entre elas para escolher qual suplemento de vitamina D tomar. Continue lendo este artigo para descobrir!

Ela é uma vitamina lipossolúvel que possui um aspecto único: pode ser sintetizada pelo corpo humano através do contato da pele com os raios UVB. Apesar do nome, a vitamina D não é só uma vitamina, mas também um pró-hormônio. E sobre isso, a ciência ainda está descobrindo se a vitamina D se comporta mais como um precursor hormonal do que como uma vitamina. Esse reconhecimento muda totalmente a importância que a vitamina D tem para a saúde humana, pois significa que ela afeta potencialmente tudo, desde o peso até o funcionamento dos órgãos.

As suas duas formas principais são a vitamina D2 e a vitamina D3. Enquanto a vitamina D2 (ergocalciferol) é fabricada e adicionada aos alimentos, a vitamina D3 (colecalciferol) é sintetizada endogenamente por meio da exposição solar a partir do 7-dehidrocolesterol. Tanto uma quanto a outra forma de vitamina D são produzidas comercialmente e podem ser encontradas em suplementos ou alimentos fortificados.

Cada vez mais a ciência tem feito novas descobertas sobre as utilidades da vitamina D para o organismo. A seguir você conhecerá 10 delas:

O que é vitamina D?

A vitamina D é uma vitamina solúvel em gorduras (lipossolúvel) muito conhecida por possibilitar a absorção de cálcio e fazer a regulação do crescimento ósseo. Essa vitamina também é super importante para a função imunológica, para o processo de divisão celular, para o funcionamento muscular, entre outras funções do organismo.

Ela é popularmente conhecida como a "vitamina do sol", já que é sintetizada principalmente por meio do contato da luz solar com a pele. É por essa razão que se torna necessário obter uma parte dessa vitamina pela dieta, afinal, poucas pessoas conseguem se expor ao sol com frequência.

Boas fontes alimentares de vitamina D incluem:

  • peixes gordurosos;
  • óleo de peixe;
  • gema de ovo;
  • manteiga;
  • fígado.

Entretanto, pode ser desafiador obter quantidades apropriadas de vitamina D somente por meio dos alimentos. Por isso, é comum que boa parte da população tenha carência dessa vitamina.

A vitamina D existe em duas formas principais: vitamina D2 (ergocalciferol) e vitamina D3 (colecalciferol). Ambas desempenham papéis semelhantes no organismo, mas possuem estruturas moleculares ligeiramente diferentes. Isso faz com que elas atuem em intensidades distintas e sirvam à saúde humana de modos distintos.

O que é vitamina D2?

Quando falamos em vitamina D, estamos nos referindo a vitamina D2 (ergocalciferol). A D2 é uma molécula de 28 carbonos derivada do ergosterol (um componente das membranas das células fúngicas).

Ela é principalmente encontrada em fontes vegetais, como cogumelos cultivados em luz UV, alimentos fortificados e suplementos dietéticos. A vitamina D2 é mais barata de produzir, por isso é muito comum que essa forma de vitamina D seja adicionada naqueles alimentos que geralmente recebem fortificação como:

  • leites;
  • produtos lácteos;
  • aveia;
  • biscoitos;
  • leite de soja;
  • suco de laranja;
  • cereais.

O que é vitamina D3?

A D3 é uma molécula de 27 carbonos derivada do colesterol. É esse tipo de vitamina D que a pele produz por meio do contato com os raios UVB. A irradiação dos raios solares na pele desencadeia a fotólise do 7-dehidrocolesterol (pró-vitamina D3) em pré-vitamina D3 , que é rapidamente convertida em vitamina D 3 pela temperatura da pele.

Um processo parecido ocorre em plantas e cogumelos, onde a luz UVB leva à formação de vitamina D a partir do ergosterol, um composto encontrado em óleos vegetais. No entanto, a D3 é essencialmente obtida em alimentos de origem animal, como peixes oleosos, fígado, gema de ovo, manteiga e, claro, em suplementos dietéticos.

Principais diferenças entre vitamina D2 e vitamina D3

Ambas funcionam como pró-hormônios, a única diferenciação entre elas é a estrutura de suas cadeias laterais. Por esse motivo, teoricamente são utilizadas pelo organismo de maneira idêntica. Apesar disso, a vitamina D2 e D3 possuem algumas diferenças relevantes que precisam ser levadas em consideração principalmente na hora de escolher um suplemento de vitamina D.

Eficácia

A eficácia de cada uma na elevação dos níveis de vitamina D no corpo são bem diferentes. Uma meta-análise indicou que a vitamina D3 é mais eficaz em aumentar as concentrações séricas de vitamina D do que a vitamina D2. Portanto, a vitamina D3 pode potencialmente se tornar a melhor escolha para suplementação. Colaborando com esse achado, um outro estudo estudo verificou que uma dose diária de 4.000 UI de vitamina D3, por duas semanas, foi 1,7 vezes mais eficaz em aumentar os níveis de 25[OH]D do que 4.000 UI de vitamina D2.

Pesquisas sobre a eficácia, claramente a D3 produz um efeito substancialmente maior do que D2, medido tanto pelo soro 25(OH) quanto pelo armazenamento de gordura da vitamina no fígado. A vitamina D3 foi de 56 a 87% mais potente que D2 no aumento de 25(OH)D sérico e mais de três vezes mais potente no aumento do teor de calciferol de gordura.

Essas diferenças entre os 2 calciferóis são devido às suas afinidades para o receptor da vitamina D. Além disso, se acredita que a vitamina D3 é potencialmente o substrato preferido para a 25-hidroxilase hepática.

Absorção

Sobre a capacidade de absorção dessas duas formas de vitamina, os achados são um pouco distintos. Alguns estudos demonstram que a vitamina D2 é absorvida tão bem quanto a vitamina D3. Porém, os níveis sanguíneos de 25[OH]D começam a cair mais rapidamente entre os indivíduos que tomaram vitamina D2. Enquanto isso, aqueles indivíduos que tomaram a vitamina D3, mantiveram níveis elevados por mais tempo antes de cair gradualmente. Resumidamente, ambas formas de vitamina D possuem uma boa absorção pelo organismo.

Suplementos

Seja pela dificuldade em se expor ao sol ou pela ingestão insuficiente de alimentos fonte, hoje a maioria das pessoas precisa recorrer à suplementação de vitamina D para ter níveis adequados desse nutriente no corpo. Tanto a vitamina D2 quanto a D3 estão disponíveis em cápsulas ou gotas, sendo que as duas formas contribuem para os níveis gerais de vitamina D no corpo. Uma das principais diferenças dos suplementos de vitamina D, é que a vitamina D2 é derivada de plantas e a vitamina D3 vem de animais (normalmente peixes gordurosos) ou é sintética.

As formulações dos suplementos dessa vitamina costumam estar disponíveis sem receita médica nas seguintes doses:

  • 400 UI;
  • 800 UI;
  • 1000 UI;
  • 2.000 UI;
  • 5.000 UI.

Quando um indivíduo tem níveis muito baixos de vitamina D no corpo, ou quando há a presença de patologias que requerem doses mais altas dessa vitamina como parte do tratamento, o médico pode prescrever um suplemento mais concentrado (50.000 UI) por um curto período de tempo. Essa concentração maior de vitamina D geralmente não está disponível para venda livre na forma de D3, apenas na forma D2.

Quanto o corpo precisa de vitamina D2 e de D3?

De modo geral, a dose recomendada de vitamina D varia de acordo com a idade. No entanto, ela pode variar muito de pessoa para pessoa. Idade, local onde mora, estação do ano, frequência de exposição da pele ao sol - tudo isso deve ser levado em consideração para escolher a dose mais adequada de vitamina D.

A orientação sobre os limites diários superiores seguros (UL) também varia, mas geralmente atinge cerca de 4.000 UI por dia para a maioria dos adultos.

As diretrizes internacionais recomendam as seguintes doses mínimas diárias de vitamina D:

  • 400 UI para bebês menores de 12 meses;
  • 600 UI para pessoas entre 1 e 70 anos.
  • 800 UI para pessoas com 71 anos ou mais.

Afinal, qual a melhor?

Embora ambas sejam úteis como suplemento para aumentar os níveis de vitamina D no corpo, a D3 parece ser ligeiramente superior à vitamina D2.

Pesquisas robustas em humanos mostraram que a D3 parece ser significativamente melhor para aumentar o biomarcador do status de vitamina D, que é o 25(OH)D, e mantê-los adequados.

Também há evidências de que a vitamina D3 é melhor que a D2 quando se trata de bioatividade, já que a D3 demonstra aumentar os níveis de 25(OH)D livre com maior eficácia. Inclusive, em uma conclusão ousada, um estudo alegou que devido à bioeficácia superior da vitamina D3, a vitamina D2 não deve ser considerada um nutriente adequado para suplementação.

Isso é especialmente importante em condições de saúde específicas, pois de acordo com os estudos, os dois suplementos não são bioequivalentes. Na presença de osteoporose, por exemplo, ou outras doenças que enfraquecem os ossos, a vitamina D2 pode não ser eficaz quanto a vitamina D3.

Por fim, dado que o organismo na verdade não se importa se você está tomando vitamina D2 ou D3, qualquer uma das duas formas podem beneficiar a saúde geral, desde que esteja dentro das doses recomendadas.

Conteúdo escrito por Rafaela Galvão, publicitária pela ESPM-SUL e estudante do 7˚ semestre de nutrição na Unisul. Desenvolve projetos de comunicação e produção de conteúdo para a área da saúde desde 2016.

Gostou?

Então bora se vitaminar!